2016-08-10

Uma insatisfação do Carrillo


Imaginem um jogador a quem foi prometido este mundo e o outro se assinasse por um qualquer clube de Carnide. Esse clube gastaria uma fortuna em prémios de assinatura e daria a esse jogador o maior ordenado do plantel e uma espécie de garantia que iria ser titular e, digamos, o novo rei (ou king, em inglês… estão a ver?). Para facilitar a história vamos chamar a esse jogador “André”. O nome do clube não interessa muito, pode ser um qualquer da vossa imaginação.

O André rapidamente se apercebeu que tinha sido manipulado para que o seu novo clube pudesse dar uma bicada ao seu antigo clube e, talvez por isso, vinha a sentir uma enorme dificuldade em se adaptar ao que o seu novo treinador (vamos chamar-lhe “Sonso Pinho” de forma perfeitamente aleatória) lhe pede técnica e tacticamente.

André, fecundado com a situação, pediu uma reunião com Sonso Pinho três dias antes de um qualquer jogo entre um qualquer clube de Carnide e um qualquer clube do Minho (mas que também podia ser de Carnide). Mas Sonso Pinho recusou-se a falar com André e pediu ao capitão Braço Partido para intervir. A reunião só aconteceu no dia seguinte (2 dias antes do tal jogo contra um clube do Minho) e o Braço Partido levava consigo a insatisfação de alguns jogadores do plantel para com André por não jogar uma beata e receber mais que todos os outros.

Palavra puxa palavra (sempre com um sotaque entre o portunhol e o brasileirês) e reza a lenda que se foi ouvindo o seguinte:


  • Não vim para este clube para receber ordens de um tipo que ganha menos que eu!
  • Quem és tu para me dares lições de futebol?
  • Não tenho que falar contigo, pedi para falar com o mister!


E tudo terminou com um: “Braço Partido vai para o caralho que tu, a mim, não me dás ordens” seguido de alguns barulhos estranhos de carne e osso contra carne e osso (isto só os próprios, ou alguém com o rosto inchado, poderão confirmar).

Braço Partido e Sonso Pinho conversam depois para que André não seja convocado mas o querido líder desse clube impôs a “livre vontade” a Sonso Pinho e este lá teve de enfiar o André nos 18 convocados (e talvez até na peida).

Reparem que isto tudo é só produto da nossa imaginação. Nada disto aconteceu! Afinal de contas não apareceu em nenhum jornal…







4 comentários :

  1. o carrilho, pode mesmo ir p´ro "carrilho".

    ResponderEliminar
  2. que mosquitos vermelhos se fodam . que mosquitos vermelhos acabem por se entender á enrabadela . que mosquitos vermelhos tenham filhos humanos sidosos. que se foda o sonso pinho . VIVA O GRANDE JOSÉ ALVALADE E O SPORTING CLUBE DE PORTUGAL !!! VIVA !!!

    ResponderEliminar
  3. boa boa, muito bem imaginada esta história ... REAL!

    ResponderEliminar