Mendes, o cancro que destrói carreiras e clubes



Esta semana, o Correio da Manhã publicou uma notícia sobre a ausência prolongada de André Horta. A notícia acaba por bater de frente com a constante propaganda benfiquista que insiste em dizer que, para eles, não há nada acima do benfica. Pelos vistos há... são os interesses de Jorge Mendes.

Numa época em que Pagaram trinta milhões (30 000 000) em comissões, tiveram que vender Gonçalo Guedes e ainda emitir um empréstimo obrigacionista para "equilibrar" as contas. No final da época serão, muito provavelmente, campeões graças ao que acontece fora de campo porque o rendimento dentro dele tem roçado o paupérrimo. Mas, o verdadeiro campeão é Jorge Mendes. Esta época do benfica rendeu-lhe o equivalente a três entradas directas na Liga dos Campeões.

"Médio pressionado para trocar de agente. Jovem não é titular há mais de sete meses.

André Horta recusou ser representado por Jorge Mendes, apesar de ter sido pressionado por várias pessoas ligadas à Gestifute, empresa do agente. Ao que o CM apurou, a nega ao empresário prejudicou o médio, que deixou de ser opção regular para o treinador Rui Vitória.
Fonte próxima do jogador garantiu ao CM que André Horta declinou de forma veemente a proposta de Mendes, preferindo manter-se ligado a Carlos Gonçalves. "Era o mesmo que trocar o Benfica pelo Sporting", terá dito o jovem de 20 anos confrontado com essa hipótese. Jorge Mendes tem fortes relações com o Benfica, tal como o presidente Luís Filipe Vieira já assumiu. Entre outros negócios, o superagente intermediou a mudança de Gonçalo Guedes para o PSG em janeiro.

André Horta começou a perder espaço depois da lesão sofrida em setembro, em Nápoles, onde chegou com o estatuto de titular. O médio regressou no Dragão, diante do FC Porto, em novembro, mas a nova lesão sofrida, na Seleção sub-21, foi a gota de água. Desde janeiro, o médio somou 97 minutos e não é titular há mais de sete meses. A última aparição foi em março, diante do Belenenses. Nos últimos 6 jogos ficou na bancada.

Internamente, a justificação dada ao CM para a longa ausência prende-se com a falta de entrega e espírito de sacrifício do jogador. As mesmas razões que terão motivado a dispensa do médio em 2012.", in Correio da Manhã.

A notícia de manhã não é mais do que aquilo que Bruno de Carvalho tem vindo a denunciar desde há quatro anos. Levou inclusivamente às mais altas instâncias do futebol mundial e ao Parlamento onde foi discutida a questão das comissões.

Infelizmente, em Portugal nem o governo (António Costa senta-se ao lado de Vieira para ver a bola...) nem a Autoridade Tributária (Mário Centeno senta-se ao lado de Vieira para ver a bola...) quiseram saber. No entanto, há rumores de uma investigação conjunta entre Portugal e Espanha às finanças dos clubes. A ideia é precisamente começar a perceber se existem, e como funcionam, possíveis esquemas de lavagem de dinheiro. Ou acham que aquele documento que a Liga lançou com as comissões foi inocente?

Há quatro anos que andam a fazer ouvidos moucos àquilo que o Sporting tem vindo a dizer.

Já a 25 de Setembro de 2013, Bruno de Carvalho dizia ao Jornal de Negócios que as comissões pagas aos agentes eram insustentáveis e que isso tinha impacto nos elevados passivos dos clubes.



Isto faz-me perguntar se todos aqueles que torceram pela Doyen no caso contra o Sporting sabiam exactamente o que estavam a fazer. Quanto custou ao Porto não ter usado Brahimi no principio da época? E o que se passa agora com Layún. O caso de Ola John no benfica. Em quanto foram lesados os clubes por esta Europa fora graças a agentes desportivos?

Há quatro anos que tentam passar a ideia de que Bruno de Carvalho não passa de um Dom Quixote a combater moinhos de vento. Os gigantes problemas que temos vindo a combater existem mesmo e o Sporting teve a sorte de eleger um Presidente que, à distância, percebeu bem o que estava a acontecer no nosso Clube e em tantos outros. Quantos criticaram o video-árbitro e agora batem-lhe palmas?

O futebol ainda está entregue a um conjunto de interesses que devem ser combatidos. Agora é escolher o lado. Ou estamos do lado dos que combatem e querem proteger os clubes para um futuro próspero e sem dependências ou então fazemos de conta que não vemos, emitimos empréstimo obrigacionista atrás de empréstimo obrigacionista e quem vier atrás que feche a porta...


Comentários

  1. tudo verdade pura! o sporting atravez do nosso presidente tem combatido o podre que està instalado, mas o problema è que os portugueses alem dos interesses sao comodistas, do tipo deixa andar e logo se vè!

    ResponderEliminar

Enviar um comentário