Porque emprestamos "Franciscos Geraldes"?



Seja qual for o resultado dos jogos desta pré-época, parece que não se consegue fugir ao tema "Francisco Geraldes". Ao que tudo indica será emprestado, tal como Ryan Gauld e Leonardo Ruiz.

Numa primeira instância parece não ser a mais acertada das decisões mas a verdade é que no meio-campo actual Francisco Geraldes não seria titular. Podia ser suplente? Claro! Mas um jogador da sua categoria precisa de jogar o máximo número possível de jogos, fazendo assim sentido que este seja o seu último empréstimo antes de se afirmar definitivamente na equipa principal do Sporting Clube de Portugal.

Tal como Domingos Duarte e, muito provavelmente Matheus Pereira, é apenas natural que se faça rodar os talentos emergentes para que regressem capazes. Seja em Janeiro ou em Junho. Vejam-se os exemplos de João Mário e Rúben Semedo que cumpriram o seu "percurso" e voltaram para ser titulares. Sem nunca desanimar. Entenderam que fazia parte do seu processo de crescimento.

Em relação aos que ficam. Há sempre aquela tentação de dizer "Ah, sai o Geraldes mas fica o Mattheus Oliveira". E fica muito bem. Pontapé forte, boa visão de jogo e humildade suficiente para aceitar ser suplente de Bruno Fernandes.

É preciso entender que gerir um plantel e os seus egos não é tarefa fácil. É preciso saber quem emprestar, a quem emprestar e quem manter e como os manter. Saibamos confiar em quem gere o plantel e, com certeza, teremos muitas alegrias esta época e nas próximas com quem se mantém e com quem há-de regressar mais forte.


Comentários

  1. Verdade é que eu faria o mesmo...
    Tem que emprestar para jogar mais...

    ResponderEliminar
  2. O que talvez não se compreenda foi o seu regresso em janeiro que lhe quebrou o ritmo competitivo que estava bem alto e proveitoso.

    ResponderEliminar

Enviar um comentário