Comunicações do VAR não falharam - Quem está a mentir?




No decorrer do jogo entre o benfica e o Desportivo das Aves na última jornada, ocorreu um, entre outros, lance que devia ter sido analisado ao abrigo do Protocolo do Vídeo-Árbitro mas que não o foi. O primeiro sintoma de se passar algo estranho é os árbitros e os delegados da liga nao terem relatado nenhuma falha do sistema vídeo-árbitro. Então, quem está a mentir?

Logo durante a partida, uma "jornalista" do Público tentou mascarar a situação dando a ideia de que o VAR não poderia intervir na decisão do lance pois este tipo de situação estaria fora do protocolo.

Para azar desta senhora, que se diz "benfiquista desde que se lembra", este tipo de lance está mesmo ao abrigo do protocolo do vídeo-árbitro e, como tal, deveria ter sido objecto de análise adicional. Infelizmente não foi e destruiu-se a verdade desportiva deste jogo.


Horas mais tarde, a Federação Portuguesa de Futebol disse ter-se verificado uma quebra de comunicações entre o vídeo-árbitro e a equipa de arbitragem.

Ora... Os VAR assiste ao jogo numa Sala na Cidade do Futebol num estúdio fornecido pela Media Pro. A ligação entre esse estúdio e a Review Area no estádio é fornecida pela MEO. A informação recebida na Review Area é, posteriormente, reencaminhada para os árbitros através de equipamentos rádio fornecidos pela Vokkero (20 anos de experiência nesta matéria).

Estão então três grandes empresas metidas aqui ao barulho. A Meo, Media Pro e Vokkero. Seria de extrema importância e relevância que fosse esclarecido onde é que ocorreu uma falha tão grave que corrompeu a verdade desportiva.

É de realçar que a Media Pro é uma empresa cheia de histórias relacionadas com ex e actuais empresários portugueses onde constam nomes como Rui Pedro Soares (Dragão de Ouro, envolvido na negociação da liga inglesa na btv, presidente da SAD do Belenenses) e Pais do Amaral (devedor de quase 50 milhões de euros aos bancos portugueses).

Como pode um sistema destes funcionar bem durante oito jornadas (72 jogos) e falhar logo neste jogo em particular da nona jornada? A própria Liga Portuguesa de Futebol Profissional diz não ter sido oficialmente informada e irá solicitar uma investigação ao Conselho de Disciplina.

"A LPFP foi hoje, durante a tarde, oficialmente informada, pelo conselho de arbitragem da Federação Portuguesa de Futebol, de uma anomalia no vídeoárbitro na partida entre o Desportivo das Aves e o Benfica. Tendo em conta esta comunicação, e por não ter tido conhecimento formal da referida anomalia após o encerramento da partida, a Liga vai solicitar ao conselho de disciplina a averiguação do sucedido", disse a Liga em comunicado.

Mais importante ainda é perceber se a falha de comunicação aconteceu mesmo. É que não vejo a Meo, uma empresa de respeito e, acima de tudo, idónea, a entrar num jogo de bastidores para camuflar uma alegada farsa cometida por clubes e alguns funcionários da Federação Portuguesa de Futebol. Para isto também era importante que o diretor de tecnologia da FPF, Hugo Freitas (bom funcionário e tipo sério e honesto) viesse falar sobre esta situação uma vez que foi ele que deu a cara pelo vídeo-árbitro no programa Tempo Extra, do Rui Santos, a 19 de Maio de 2017. É que a suspeição não pode reinar no futebol português e muito menos alastrar-se para empresas que são pilares da economia nacional.


Comentários

  1. Até final do campeonato, não havera uma unica decisao contra o Benfic@ com recurso ao VAR.

    ResponderEliminar

Enviar um comentário