Campeões de Inverno



A final da Taça da Liga tinha logo na sua génese tudo para ser um pouco atípico. Um jogo no Minho disputado entre um Vitória que não é o de Guimarães e um Sporting que não é de Braga mas sim de Portugal, melhor, do Mundo.

O Sporting, equipa que mais jogos tem nas pernas na Europa, entrou em campo a fazer uma espécie de gestão física onde tentou tirar partido da motivação de jogadores como Bryan, pelo penalty decisivo contra o Porto, e Montero. Infelizmente o meio-campo esteve pouco intenso, apesar do jogo monstruoso de William, e isso condicionou toda a operação da equipa. Fomos castigados, e bem, com um golo de Gonçalo Paciência. O Vitória de Setúbal jogou contra nós aquilo que nunca jogou contra outro dos nossos rivais mas isso diz mais sobre eles e sobre o seu estado actual do que sobre nós. É a Mo(ney)tivação.

Não tem que haver vergonha de o dizer, não jogámos uma beata na primeira parte. Mas, felizmente, ainda havia outra na qual nos podíamos redimir. Assim o fizemos! Jorge Jesus colocou Acuña e Battaglia, o patinho feio que é MESMO MUITO ÚTIL, em campo e o Sporting transformou-se. Sempre a correr atrás do prejuízo, conseguimos um empate numa grande penalidade tão evidente como a azia do Padre Rui Costa ao ter que a assinalar.

O jogo caminhou para o final com ainda um punhado de oportunidades para cada lado mas manteve-se na igualdade a um. Chamados à conversão, nenhum Leão falhou. Falhou sim Tomás Podstawski, jogador que devia ter cordado a bola com a mão em cima da linha de golo. Aposto que nesta altura, Rui Costa se arrependeu de não ter tido um critério mais apertado. A azia na cara do árbitro do jogo era evidente.

Chegou William à marca de grande penalidade e os corações dos Sportinguistas apertaram-se. Na nossa cabeça, o penalty falhado contra o Porto. Mas William é mais forte que os nossos corações e não se encolheu. Não ligou àqueles que nestes últimos dias tinham dito que não era capitão para o Sporting. Olhou Trigueira nos olhos e meteu-a lá dentro. Estava feito o resultado: O Sporting é Campeão de Inverno!

Caneco na mão e depois desfrutar do doce aroma do triunfo. Claro que não faltaram logo vozes a dizer que não devíamos celebrar porque jogámos mal na primeira parte. Ora. por isso é que devemos celebrar ainda mais! Estávamos a perder, demos a volta e trouxemos a Taça da Liga para Alvalade. Qual é a vergonha nisso? Os que celebraram o EURO 2016 foi pela qualidade das exibições? Deixem-se de hipocrisias... Ganhar é um hábito que deve ser alimentado!

O Sporting esteve em três finais da Taça da Liga. A diferença desta para as outras? Ter havido VAR. Com VAR, Lucílio Batista não teria assinalado um penalty contra nós por uma bola no peito de Pedro Silva. Percebem agora porque tantos fizeram tanto para que não fosse implantado? Porque podiam manipular a verdade desportiva como bem entendiam. Hoje, apesar de não ser impossível, é bem mais difícil.

Já os nossos rivais vão perguntando se estamos a festejar por ter ganho a Champions. Pouco me importa, estou a festejar porque o Sporting Clube de Portugal conquistou um título e nesse título eliminou directamente o Porto e venceu, na final, a equipa que eliminou Braga e Benfica. É normal que celebremos, é normal que lhes doa. E, creio que, em breve até uma vitória num qualquer Torneio do Guadiana lhes há-de doer. É que o Torneio do Guadiana vai parecer um Campeonato do Mundo comparado com o Torneio da Penitenciária da Carregueira.





Comentários


  1. Temos VAR mas não temos a noção duma evidência que na época passada deu ROUBO DE IGREJA quase jogo sim, jogo sim (geralmente jogadas a meio campo, com aberrante dualidade de critérios, a empurrar o Sporting para trás, e a cortar contra-ataques e outras jogadas perigosas e muito prometedoras do Sporting -> 'Rule of Thumb' qualquer jogada q resulte em ressalto com manifesta vantagem para o Sporting, ou outra jogada em que haja o mínimo contacto e resulte na mesma possível vantagem, É SEMPRE FALTA CONTRA O SPORTING, tão mas tão descarado, que os adversários já perceberam q ao mínimo raspão, ou sopro até, devem imediatamente amandar-se para o chão)...

    ... Os jogadores adversários mais perigosos para o Sporting são aqueles q são mesmo rápidos, quase sempre não interessa quão toscos sejam (mergulho pa piscina é sempre opção em caso de aperto)... e os q passam o jogo a distribuir castanha, nas barbas e com a conivência dos padres nojentos do apito (caso desse tal de Felipe é aberrante!..).

    A TACTICA TERIA OBRIGATORIAMENTE DE TER EM CONTA ESTES FACTORES (mas parece que não!.. )

    Uma palavra também para o Trigueira, guarda-redes do Vitória q foi de longe, mas assim duma forma q nem com binóculos dá para ver, o melhor jogador do Vitória e do Torneio, sem o qual o Vitória não teria conseguido vencer o Merdica e estar na FINAL FOUR, nem teria conseguido passar uma equipa da 2a liga (Oliveirense), onde Trigueira esteve simplesmente soberbo, e estar na final, e na final não teria conseguido chegar aos penaltis (mas mais q evidente!)...

    ... Ninguém fala do Trigueira porque era suplente do Varela, apesar de ser muito melhor que este último, até de olhos fechados, sinal mais que evidente da Merdefiquisazão a q aquele clube (VFC Setúbal), estava votado (não admira que tenha estado muito à rasca, e ainda está, e q esteja tecnicamente falido).

    ResponderEliminar

Enviar um comentário