É sempre mais fácil desistir, lutar é que é duro e não é para todos




Perder pontos ontem é inaceitável mas não deve causar nos Sportinguistas nada mais do que a azia própria de perder pontos contra uma equipa com sintomas de jogo da mala. Principalmente contra estas, devíamos comer a relva para mostrar ao sistema que somos duros, que não vergamos.

Pouca gente entendeu o que Coentrão sentiu. Sentiu-se frustrado! Algo que nós devíamos sentir sempre que não ganhamos. Rebentar um banco de suplentes a murro é de alguém que não suporta ver os seus objectivos gorados. Alguém que não suporta perder! Tivéssemos nós mais 10 Coentrões em campo e não tínhamos perdido. Fossemos apenas 500 mil adeptos do Sporting como o Coentrão em vez de 3.5 milhões de pãezinhos sem sal e não estávamos a passar por esta travessia no deserto.

Infelizmente, ainda temos muitos meninos no campo e na bancada. Achamos sempre que a educação é a resposta. Na semana que passámos em primeiro, fomos capazes de inventar uma mini-crise baseada num cântico e andar por aí a falar mal do nosso clube por causa dum verso polémico. Já o Porto andou mais preocupado em garantir que o Tondela era tão manso contra eles como foi contra o Benfica. E basta ver o golo do Porto para perceber que teve sucesso nessa empreitada.

Sempre gostei de achar que os adeptos do Sporting tinham um certo pedigree que nos diferenciava dos demais. Infelizmente temos pedigree de Poodle em vez de Bull Terrier. Andamos ali a correr atrás da nossa cauda, ladramos ao carteiro e tentamos pinar a almofada que caiu do sofá. Mas somos incapazes de identificar os nossos os inimigos e cortar-lhes a jugular quando nos sentimos ameaçados, se calhar é por sermos tão bananas que nem percebemos que nos estão a ameaçar...

A vida de um Poodle é sempre mais fácil. Há uma tigelinha de água e uma com Pedigree PAL sempre no canto da sala, podemos ir para a janela ladrar a quem passa e, quando vamos à rua, ainda alguém apanha o nosso cocó. Infelizmente, o Poodle não impede a casa de ser assaltada, não compete em nada nem transmite segurança. Não passa de um animal de companhia!

Estão quarenta e cinco pontos em disputa, seis deles em confronto directo com os nossos rivais. Estão duas meias-finais de Taças em disputa, duas delas em confronto directo com um dos nossos rivais. Estamos nas competições europeias. É decidir se queremos lutar por estes objectivos ou se vamos continuar a viver nesta utopia em que basta ser sério para se ser feliz. Para triunfar na vida é preciso muito mais do que se ser um animal de companhia, estão o Sporting e os Sportinguistas preparados para isso ou continuam a preferir festas no lombo e no cachaço momentos antes de levar com um jornal no nariz?

#MaisCoentrãoMenosConasDeSabão




Comentários


  1. Excelente discurso...

    Além do espírito do Coentrão e destacar também o espírito do Acosta, exemplo vivo e enorme de como se deve encarar os jogos contra todos os q "jogam à porco" (não só mala e favores, mas também as gajas que matam tais como eritopoitinas anfetaminas e similares), i. e., sem o mínimo receio e ou deixar-se intimidar... E SEM PERDER A CABEÇA (saber fazer).

    ResponderEliminar

Enviar um comentário