Benfica tem ADN de roubo e conta com o Record para mascarar



Começam a escassear as palavras para descrever a podridão instalada no futebol português. E não estamos a falar apenas do futebol profissional, o esquema está tão bem montado que começa logo nos escalões de formação. O exemplo que vos trazemos aconteceu no benfica - Real Massamá, em Juniores A, desta semana e torna bastante claro o modus operandi das equipas de arbitragem em jogos do benfica

O Real Massamá adiantou-se no marcador aos três minutos de jogo mas o benfica conseguiu dar a volta, estando a esta altura já a vencer por 2-1. Aos sessenta e quatro minutos, Tomás Borges desmarca-se e, na cara do guarda-redes, mete a bola para Edney Ribeiro, que vinha de trás, fazer o golo do empate. O árbitro assistente nem hesitou. Ainda a bola não estava dentro da baliza e já o lance tinha sido invalidado.

Podem ver e rever o lance neste vídeo e não encontrarão nenhuma irregularidade no lance em questão. O lance que poderia ser do empate, foi um murro no estômago na formação do Real Massamá que, sentindo-se prejudicada, foi perdendo o ânimo e acabou por sofrer mais dois golos, ambos já em período de compensação.

É com exemplos como este que são se "formam" os jovens atletas portugueses cujos pais fazem sacrifícios atrás de sacrifícios para os levar a todo o lado. No fim são brindados com um roubo descomunal e com uma lição de vida: não vale a pena ser sério, para ganhar só é preciso estar do lado certo do poder.

Para ajudar ao festival da mentira e manipulação, o jornalista do Record José Pina escreveu a crónica que podem ler aqui ao lado (clickar na imagem para aumentar). Uma adulteração completa do que se passou em campo, chegando mesmo a apagar da história do jogo um golo mal anulado que teria dado o empate e, provavelmente, galvanizado os visitantes.

Árbitros e jornalistas, incapazes de fazer o mínimo que as suas profissões exigem: serem verdadeiros para com os factos. É a isto que se resume o futebol português. E para servir os interesses de quem? A resposta é óbvia.




Comentários