Dia de Reflexão na véspera da Assembleia Geral



Amanhã realiza-se uma importantíssima Assembleia Geral na vida do Sporting Clube de Portugal e creio que não é um exagero centrar isto na questão essencial: Confia-se ou não em Bruno de Carvalho para Presidente do Sporting.

Com o intuito de esclarecer os mais cépticos, foram convidados dois grupos de pessoas para duas sessões de esclarecimento.

Alterações Estatutárias e Regulamento Disciplinar

Foram convidadas quarenta e nove pessoas que vinham manifestando desagrado com a actual direcção do Sporting. Pela forma como tudo esmiúçam, constituíam a melhor plateia para esclarecer todas e quaisquer dúvidas que pudessem ser levantadas pelo Universo Sporting. Dessas quarenta e nova pessoas (49!), apareceram apenas cinco (5!). Dessas cinco, apenas duas aceitaram discutir os temas em questão nessa sessão de esclarecimento. Parece que é fácil perceber que nunca foi a vontade de discutir estes assuntos que guiou estas pessoas nos últimos anos. Foram, sim, as politiquices!

Para a segunda sessão de esclarecimento, foram convidados trinta e seis jornalistas e comentadores que, com regularidade, falam de forma crítica sobre o Sporting, Bruno de Carvalho e a Assembleia Geral. Foi dada total liberdade para questionarem o que quer que fosse. Dos trinta e seis, saltaram trinta e apareceram apenas seis. E sobre a Assembleia Geral do Sporting foi apenas colocada UMA questão. Tudo o resto foram questões acessórias.


Fica então clara que a "polémica" causada, pelos novos Estatutos e pela elaboração de um Regulamento Disciplinar, resume-se a NADA. O que se vai pretendendo fazer é discutir "Bruno de Carvalho". E nem é se o que ele fez ao longo destes últimos cinco anos é bom ou mau. Simplesmente se quer discutir o carácter do Presidente do Sporting Clube de Portugal. Torna-se então claro que esta Assembleia Geral se vai centrar no binómio com que abri este artigo: Confia-se ou não se confia no Presidente do Sporting.

Neste debate constante sobre o carácter de Bruno de Carvalho, vamos vendo adjectivos como "ditador" e "tirano" mas parece-me que alguém que adjectiva uma pessoa, que confia o seu futuro a uma minoria de 25.1%, deve desconhecer o significado das palavras com que qualifica o Presidente. Isto não é só uma ofensa a Bruno de Carvalho, é uma ofensa a todo o estado democrático e ao respeito para quem promove a voz das minorias.

Mas, ainda que o Bruno de Carvalho fosse um ditador, qualquer aplicação abusiva dos Estatutos ou do Regulamento Disciplinar pode ser sempre revista em Tribunal. Logo, ninguém poderá ser expulso de sócio ou sofrer qualquer outra consequência prevista no Regulamento Disciplinar se este violar a lei do país.

Infelizmente, fora da discussão ficou um tema que gostava mesmo de ver debatido pois é importante para o futuro do Sporting: acabar com a possibilidade de ter um desvio orçamental de dez por cento sem necessitar de aprovação em Assembleia Geral. Para quem não entende, esta medida impede que seja gasto um cêntimo, que seja, acima do orçamento sem a aprovação em Assembleia Geral.

Gosto deste tipo de "ditadores"! Os que impõe limites a si mesmos para gastar dinheiro. Aliás, é ao me aperceber que alguém, que passou pelo que passou nos últimos cinco anos, ainda tem estas preocupações para com as finanças do Clube que manifesto aquilo que acredito que deve ser mostrado amanhã a esta direcção: Confiança, Gratidão e Reconhecimento.

Bem sei que ainda há menos de um ano foi dada uma prova de confiança a esta direcção mas com tanto ruído que tem sido criado nos últimos tempos, penso que é justo que todos os Sportinguistas transmitam esse voto de confiança amanhã. Se no dia 18 ocorrerem abusos de poder, convoquem uma Assembleia Geral, como continuará previsto nos estatutos (mais uma vez: "tirano" não é?), e destituam os Órgãos Sociais.




Comentários