Não há nada para perdoar, Gelson



Comecemos pelo óbvio: se não ganhássemos o jogo de ontem, não servia de nada ter Gelson no Dragão. E Gelson garantiu a vitória de ontem em dois momentos fundamentais. O primeiro foi numa falta cometida no lado esquerdo da defesa (!) fruto de uma recuperação em raça num lance que poderia ter dado golo do Moreirense. O segundo momento foi, obviamente, o golo que permitiu ao Sporting conquistar os três pontos.

Em ambos esses momentos viu cartão amarelo e, no lugar dele, provavelmente agiria da mesma maneira. O primeiro é mais do que aceitável. Se Petrovic não tivesse sido mal expulso, não havia um Sporting descompensado em campo e Gelson nunca teria feito aquela falta. O bater das asas de Tiago Martins no meio-campo ditou o afastamento de Gelson do Dragão.

Mas o que se discute é o segundo amarelo e consequente expulsão. Gelson tirou a camisola ao celebrar um golo mas não foi um golo qualquer. Foi um golo que aconteceu na semana em que vê o seu "irmão" Ruben Semedo ser preso preventivamente por uma polícia xenófoba e racista como é a espanhola. Não entender a solidariedade entre duas pessoas que vieram da pobreza e a pulso chegaram onde chegaram é não entender a cicatriz que marca a desigualdade da nossa sociedade. Gelson e Ruben triunfaram no meio de centenas de miúdos que têm poucas oportunidades.

Mais do que isso, Gelson viu o que aconteceu ao Sporting nos últimos dois jogos do campeonato. Expulsões ridículas e arbitragens manhosas num constante momento de superação. O golo é como um orgasmo, liberta-se muito do que está contido cá dentro. Gelson marcou e libertou. Três pontos no bolso.

A mim não tens que pedir desculpas, Gelson. Como te compreendo! Na vida, como no desporto, contra tudo e contra todos. Contra essas probabilidades que insistem em tentar fazer de nós gente de segunda mas que uma após a outra serão contrariadas.


Comentários

  1. Respeito mas, pela primeira vez, não concordo com uma opinião tua. Percebo o que dizes mas amizades e roubos com malas não explicam a infantilidade de um jogador que sabe que é uma pedra fundamental na equipa. Seria o mesmo que o Ronaldo tirasse sempre a camisola sempre que falassem mal dos seus desempenhos (acho que acabaria por não jogar metade da época). Uma acção que põe em cheque a participação da equipa na competição principal (Que se lixen as outras taças...).

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Num Mundial (friso, num Mundial) vi um jogador do Chile comemorar o seu golo da mesma forma, em solidariedade como s mineiros chilenos que se encontravam encarcerados numa mina de cobre chilena, e o árbitro, após perceber o motivo falou com ele a "repreendê-lo" verbalmente e com o capitão da equipa adversária (se não estou em erro, a Suiça) para explicar a sua decisão de não aplicar a regra. Chama-se a isso BOM SENSO. E num Futebol em que todos pedem "paz" e "valores" seria de bom senso tapar os olhos (para mais naquelas condições de stress) a uma atitude que enaltece os valores da AMIZADE e da SOLIDARIEDADE.
      Já agora, 3 dias depois de o Rui das ceboladas pedir, na antevisão do jogo de Paços, bom senso ao VAR para ... "ver para além do protocolo". Gostava de o ouvir falar de bom senso após o seu jogo (em que 3 dos seus jogadores devia ter ido para o balneário mais cedo) ou depois do jogo de ontem (para qualquer das 2 situações de 2º amarelo). Mas o Rui é um BOM SONSO!!!
      Já agora, li comentários que afirmam que as expulsões de jogadores começaram agora porque a cartilha do Sport Lisboa se queixava de que não tínhamos nenhum.
      Mas então esse "apelo" os árbitros cumprem e o do Rui das ceboladas não? Pelo menos estes demonstram ser muito selectivos na interpretação da cartilha!!??

      Eliminar
  2. O Golo do Gelson valeu nos poder ir ao Porto com a certeza de poder sair de lá com a vitória.

    Sem O golo de Gelson estavmso todos aqui a lamber feridas ... "para o ano há mais".

    Tenham respeito pelo Homem...por um minuto que seja!

    ResponderEliminar

Enviar um comentário