César Boaventura, o falhado que nem para malas serve



O súbdito aparecimento de César Boaventura na esfera mediática é tudo menos inocente. O discurso troglodita é o adequado ao público-alvo e está disponível para dizer o que alguém acha que ele deve dizer.

Este comportamento é próprio de um falhado que sempre procurou protagonismo no mundo do futebol mas o melhor que conseguiu ser um moço de recados. César Boaventura, que gosta de apelidar os outros de "escroto", começou a sua carreira na construção civil precisamente a lamber o escroto de Luís Filipe Vieira.

Como tinha pouco jeito para a coisa, Vieira ter-lhe-á sugerido que tentasse ser empresário de jogadores. Os negócios que lhe são conhecidos são Mika depois do escândalo "Boavista - benfica" em 2015/16 e o empréstimo de Gabi(one)gol por parte do Inter ao benfica.

Não servindo sequer para empresário, talvez pudesse servir para paquete. Mas parece que nem para isso teve muito jeito. E porquê? Primeiro porque marca eventos para horas de jogo, como se vê na imagem ao lado, e depois tem que os remarcar porque pode ser preciso fazer uma deslocação urgente. Depois porque há pessoas que me juram ter visto as SMS recebidas pelos jogadores do Rio Ave e que lá se pode ler um claro aliciamento para perderem com o benfica.

Não servindo para mais nada, ao menos serve para escrever alarvidades nas redes sociais. Não é grande coisa mas há carreiras piores... Podia ser um daqueles tipos no Record que passa a vida a dar eco aos posts de facebook do César Boaventura.


Comentários

  1. Desculpai, mas se o home é empresário de frutabol, estais a ver umas (50?) sombras onde tudo é limpinho, limpinho - e nem o seu mentor deixaria que fosse diferente.

    ResponderEliminar
  2. Mas se o homem brinca com escrotos, é panilas, certo?

    ResponderEliminar
  3. Entretanto, a paródia continua na República das Bananas que já se chamou Portugal: distúrbios na Luz com arremesso de garrafas e pedras, tiros, agressões, feridos, presos e afins. E o que aparece nos jornais do burgo? Zero!

    ResponderEliminar

Enviar um comentário