Os verdadeiros actos de terrorismo



Jogadores a quererem sair, é normal. Jogadores à procura de maneiras menos justas para o Clube de rescindir é triste mas, apesar da azia, conseguimos entender com esforço.

Agora... jogadores que usam a paixão dos adeptos para forçar a queda de uma direcção, recorrendo a rescisões é um verdadeiro acto de terrorismo.

Qual é a justificação possível para que, com a saída do Bruno, Rui Patrício já não molhe a cama à noite? Bem, ao menos a Holdimo manteria os 30% da SAD...

Podence, dos vinte anos que tem, dez passou no Sporting. Metade da sua vida! Patrício, dos 30 anos que tem, dezanove passou no Sporting. Quase dois terços da sua vida. Que tipo de ingratidão é esta?

Pior, se a ideia deles é sair (com transferência ou rescisão) que diferença lhes faz quem é o Presidente?

Meus amigos, goste-se ou não de Bruno de Carvalho (que também tem parte da culpa), o Sporting Clube de Portugal não pode aceitar ser chantageado por um grupo de funcionários que, por acaso, até são dos mais bem-pagos e a quem sempre foi dado tudo.

Se eu fosse Bruno de Carvalho, anunciava já hoje a demissão e novas eleições caso Rui Patrício e Podence retirassem as suas rescisões e assim veríamos quem tem realmente tomates. Antes morrer de pé do que viver de joelhos!




Comentários